Qualificação
Qualificação de Mestrado - Biblioterapia como Prática Integrativa Complementar: uma revisão de escopo
Sala 402 – Prédio Sede Campus Maré

Resumo

Aborda a produção científica em biblioterapia pela revisão de escopo visando apresentar usos, conceitos e aplicações na assistência em saúde. Mapeia e caracteriza a produção científica em biblioterapia, investigando sua relação como prática integrativa complementar. Analisa o conceito abrangente de biblioterapia e suas aplicações, à luz das práticas integrativas complementares disponíveis no sistema único de saúde. Identifica as publicações e redes de colaboração relevantes na biblioterapia. Conclui que a revisão de escopo fornece subsídios para o fortalecimento do conhecimento científico sobre biblioterapia, destacando sua possível integração nas políticas públicas de práticas integrativas complementares. Aponta também limitações a serem consideradas na formulação dessas políticas.

Aluna: Débora Vilar Melo 

Orientadora: Kizi Mendonça de Araújo (PPGICS/Icict/Fiocruz)

 

Banca:

Titulares

Bruna de Paula Fonseca e Fonseca (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Daniele Achilles Dutra da Rosa (PPGB/Unirio)

Suplente

Rosane Abdala Lins (PPGICS/Icict/Fiocruz)

 

Acadêmico
Centro de Estudos Icict: Panorama da Atual Epidemia de Dengue
Canal VideoSaúde YouTube

Cartaz com a foto do debatedor Leonardos Bastos e a mediadora Renata Gracie

Defesa
Defesa Mestrado - SUS sob austeridade: uma análise de editorias da Folha de São Paulo durante a pandemia de Covid-19 (2020-2022)
Sala 410 – Prédio Sede Campus Maré Fiocruz

Resumo:

A pesquisa propôs analisar a construção de sentidos em torno do Sistema Único de Saúde (SUS) e da austeridade fiscal no jornal Folha de S. Paulo (FSP), no contexto da Covid-19. Investigamos a contradição entre argumentos favoráveis ao SUS, fundamental para conter a crise sanitária e, simultaneamente, a defesa da austeridade, expressa na Emenda Constitucional 95 (EC 95) - que significou o desfinanciamento do SUS.  Para cumprir nossos objetivos, analisamos 123 editoriais, denominados pelo próprio veículo como “O que a Folha pensa”, publicados entre março de 2020 e março de 2022, cobrindo assim fases distintas da pandemia. O trabalho fundamenta-se nas evidências dos efeitos nocivos da austeridade à saúde das populações (Stuckler e Basu, 2014).  Compartilhamos o pensamento de autores que situam a imprensa como agente discursivo do neoliberalismo (Bóron, 1999; Oliveira 1999; Harvey, 2005; Motter, 2019 ). Nos baseamos no conceito de SUS Midiático (Machado, 2020), que  defende que a imprensa influencia na opinião pública - na produção de sentidos - sobre o SUS. As ideias de Direito à Comunicação e Saúde (Stevanim e Murtinho, 2021) guiam esta dissertação, na intersecção entre apontamentos sobre democratização da comunicação e direito à saúde.  Os resultados apontam que os editoriais confirmaram a posição da FSP em defesa de medidas de proteção social, como o auxílio emergencial, e em acordo com as orientações científicas. Especificamente em relação ao SUS, ganhou destaque a importância do seu papel no processo de vacinação,  e a  potência de sua rede para materializar ações de enfrentamento da pandemia. Contraditoriamente a esse discurso, mas coerente com seu alinhamento político, sustentou o imperativo de confiança no mercado e articulou com firmeza argumentos a favor do equilíbrio fiscal e do teto de gastos, entre outras políticas de austeridade. Identificamos no material analisado o que apelidamos SUS-necessário, a articulação de características que apresentam um  sistema robusto, com estrutura sólida e acúmulo científico, mas não necessariamente público, e condicionado às medidas de austeridade. Concluímos que, mesmo neste contexto tão particular, em que o reconhecimento  do  SUS alcançou patamares elevados, a perspectiva empresarial da imprensa  prevalece e se mantém  seu alinhamento à lógica neoliberal. 

Aluna: Hara Flaeschen de Campos  

Orientador: Rodrigo Murtinho de Martinez Torres (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Banca:

Titulares

Izamara Bastos Machado (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Isabela Soares Santos (Daps/Ensp/Fiocruz)

Suplentes

Wilson Couto Borges (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Carmem Emmanuely Leitão Araújo (PPGSP/Fames/UFC)

Qualificação
Qualificação Doutorado - O acesso aberto e a produção científica brasileira em saúde coletiva
Sala 410 – Prédio Sede Campus Fiocruz Maré

Resumo

Esta pesquisa terá como objetivo analisar a adesão dos pesquisadores da Saúde Coletiva aos periódicos de acesso aberto. Neste contexto, a pergunta de pesquisa será: os pesquisadores da área de Saúde Coletiva utilizam os periódicos de acesso aberto para disseminação dos resultados de seus estudos? Para tal, o estudo acompanhará 20 anos de produção científica brasileira em Saúde Coletiva a partir da produção dos docentes dos Programas de Pós-Graduação (PPGs) na área de Saúde Coletiva classificados como de excelência (conceito 6 e 7) no último quadriênio (2017-2020). A produção científica dos pesquisadores dos 12 PPGs selecionados será extraída da base de Currículos Lattes com o auxílio da ferramenta ScriptLattes. Para melhor entender a adesão ou não adesão as publicações em periódicos de acesso aberto na área, serão extraídas da base informações sobre a produção e perfil dos pesquisadores. Para identificação dos periódicos de acesso aberto será utilizada a lista de periódicos cadastrados no Directory of Open Access Journals. Espera-se que os resultados desse estudo possam contribuir para melhor entender a adesão desses pesquisadores às publicações de acesso aberto ao longo do período, bem como as características desta adesão. Tal panorama pode ser bastante útil para elaboração de políticas científicas de valorização do acesso aberto para a área, para que o conhecimento gerado no campo esteja disponível e acessível a todos.

 

Aluna: Maria Carolina Coutinho Barrozo de Freitas

Orientadora: Kizi Mendonça de Araújo (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Banca:

Titulares

Maria Cristina Soares Guimarães (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Michely Jabala Mamede Vogel (PPGCI/UFF)

Suplente

Viviane Santos de Oliveira Veiga (PPGICS/Icict/Fiocruz) 

Defesa
Defesa Mestrado - Desigualdades raciais em saúde: ICSAP como um indicador importante na análise do atributo raça/cor nos sistemas de saúde
Plataforma Zoom

Resumo

O contexto brasileiro carrega marcas do escravismo ainda não superado e contribui para a perpetuação das relações assimétricas, produzindo uma sociedade acentuadamente desigual.  Pensando nas ramificações que a desigualdade assume, à luz da dimensão da saúde, o presente trabalho explorou quatro aspectos fundamentais: (i) como as desigualdades se expressam através das Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária (ICSAP); (ii) a importância da informação em saúde para o enfrentamento das desigualdades; (iii) a relação entre raça e as dificuldades de acesso aos serviços de saúde e (iv) situação geográfica que informa onde se concentram as desigualdades mais expressivas que se desenvolvem no campo da saúde que contemplam a linha investigativa da pesquisa. O estudo foi desenvolvido a partir das seguintes metodologias: (i) revisão bibliográfica sobre raça e saúde, ICSAP por raça/cor, vulnerabilidades sociais e desigualdades; (ii) análise da informação sobre raça nos sistemas de informações em saúde e (iii) análise das desigualdades raciais e espaciais expressas através das ICSAP com dados dos sistemas de informação em saúde. Para isso, o trabalho contará com a análise dos anos de 2010, 2016 e 2022 para investigar a evolução da aplicação do indicador acima expresso a partir do atributo raça/cor, se amparando no uso do QGis (software livre) e obtendo como resultado final, a elaboração de mapas para registrar a distribuição das ICSAP nos municípios brasileiros. Destaca-se neste âmbito a discussão sobre como as ICSAP se relacionam a diferentes concentrações da população por cor/raça nos municípios brasileiros, expressas pela densidade racial, além da qualidade da informação sobre cor/raça no Sistema de Informações Hospitalares (SIH). Por último, a pesquisa destaca as ICSAP como expressões das desigualdades sociais, raciais e espaciais, contribui para a qualidade da informação em saúde através da melhoria do preenchimento da variável de raça/cor nos sistemas de informação em saúde.

  

Aluna: Laísa de Deus Abrahão

Orientador: Ricardo Antunes Dantas de Oliveira (PPGICS/Icict/Fiocruz)

 

Banca:

Titulares

Josué Laguardia (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Geny Ferreira Guimarães (PPGGEO/UFRRJ)

Suplentes

Renata de Saldanha da Gama Gracie Carrijo  (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Mônica Silva Martins (PPGSP/Ensp/Fiocruz)

Local: Zoom

Link: https://us06web.zoom.us/j/87107961757?pwd=KNiWlHbnz2SdPQnZJjFNEittLWqiG0.1

ID da reunião: 871 0796 1757

Senha de acesso: 919462

 

Defesa
Defesa de doutorado - Quem consome Fake News consome Fake News? Os usos e sentidos atribuídos à ciência e ao jornalismo em canais sobre covid-19 no Telegram
Plataforma Zoom

Resumo

Esta tese investiga os discursos sobre ciência e saúde que circularam durante e após a pandemia de covid-19 em canais de informação sobre o tema no Telegram. O objetivo foi compreender os usos e sentidos atribuídos à ciência e ao jornalismo pelos usuários da plataforma e caracterizar a representação desses dois campos nos processos de desinformação científica em saúde. O estudo sustenta a tese de que não há uma desconfiança generalizada no jornalismo e na ciência, mas uma mudança na lógica de consumo de informações no século XXI: o conteúdo sobre ciência e saúde deixou de ser apenas transmitido pelas instituições e pelos meios de comunicação considerados tradicionais e ganhou novos formatos e opções de acesso (graças à internet e às redes sociais digitais), que nem sempre têm o compromisso com a produção e a transmissão de uma informação precisa e de qualidade. Além disso, surge nesta nova lógica outra forma de produção de conhecimento/verdade, que está pautada pela cisma (Mota, 2018) e pela manutenção e pelo reforço das crenças pessoais. Indo na contramão dos recentes trabalhos realizados no Brasil sobre o tema, que focam na produção textual e na checagem de fatos, esta investigação parte da teoria das mediações (Martín-Barbero, 1997; 2004) e da perspectiva antropológica para analisar os usuários dos canais sobre covid-19 no Telegram Geopolítica & Atualidades (antigo Médicos pela Vida), Vacinacv19_relatos e Canal Marcos Falcão, em que o olhar etnográfico foi utilizado para descrever e interpretar os atores sociais, suas instituições, seus comportamentos interpessoais, suas produções materiais e suas crenças (Fragoso; Recuero; Amaral, 2011). Com isso, identificamos as escolhas e os usos de fontes e meios de informação sobre ciência e saúde pelos usuários do Telegram, analisamos a forma como eles se relacionam com esse tipo de conteúdo e, por fim, investigamos os processos de circulação e consumo da desinformação científica sobre saúde na referida plataforma.

 

Aluna: Ana Carolina Pontalti Monari

Orientador: Igor Pinto Sacramento (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Segunda Orientadora: Hully Guedes Falcão (PPGICS/Icict/Fiocruz)

 

Banca:

Titulares

Kizi Mendonça de Araújo (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Wilson Couto Borges (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Thaiane Moreira de Oliveira (PPGCOM-UFF)

Fábio Reis Mota (PPGA/UFF)

Suplentes

Pâmela Araújo Pinto (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Gabriela de Lima Cuervo (PPGA/UFF) 

Local: Plataforma Zoom

Local: Síncrona Remota 

Link: https://us06web.zoom.us/j/88060453196?pwd=QpVaERRRRfbba4PVmhMIkZgbBIgxmU.1

ID da reunião: 880 6045 3196
Senha de acesso: 049003

 

Qualificação
Qualificação de Mestrado - O conflito público-privado na gestão de dados pessoais nos serviços de saúde no município do Rio de Janeiro
Sala 410 – Prédio Sede Campus Maré

Resumo

Ao analisar a prática de contratos em espécie entre poder público municipal e Organizações Sociais de Saúde (OSs), a partir do marco regulatório da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), a pesquisa verificará se o tratamento de dados realizado pelas OSs ao gerir ou operar equipamentos públicos de saúde passou a ser realizado de acordo com as exigências legais, após a criação de um Conselho Municipal de Proteção de Dados e da prolação de acórdãos do Tribunal de Contas do Estado/RJ e Tribunal de Contas da União, respectivamente sobre maturidade dos municípios fluminenses em relação à LGPD e a atuação das OSs em contratos com o poder público na área da saúde. Visa elucidar a forma como o poder público conduz a aplicação da LGPD na área da saúde, concentrando-se na questão do conflito público-privado na gestão de dados – um estudo exploratório sobre as relações que fundamentam a rede de relações jurídicas que abastece de dados os contratos com  OSs. Segue uma análise sobre relatórios e agendas de interesse público de entes como ANPD, Tribunais de Contas, Conselhos de Proteção de Dados Pessoais e organizações da sociedade civil. Questões incidentais sobre a aplicabilidade, fiscalização e regulamentação de utilizações futuras surgirão à medida em que noções de saúde digital e proteção de dados serão expandidas. Chegando finalmente ao objeto principal de análise: se os dados pessoais sensíveis referentes à saúde dos pacientes do SUS atendidos pelas OSs são tratados de acordo com a LGPD.

Aluno: Daniel Chalhub Oliveira Ricci  

Orientador: Rodrigo Murtinho de Martinez Torres (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Banca:

Titulares

Wilson Couto Borges (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Fabiana Turino (PPGSC/Ufes)

Analluza Dallari (FSP/USP)

Suplente

Daniela Muzi (PPGICS/Icict/Fiocruz)

 

Qualificação
Qualificação de Mestrado - Percepção de risco e descarte de resíduos na diálise peritoneal domiciliar
Sala 410 – Prédio Sede Campus Maré

Resumo

A diálise peritoneal (DP) é um método de substituição da função renal que é realizada em domicílio. Desta maneira, o paciente e a família necessitam de um período de capacitação, em que são treinados pelo enfermeiro sobre manter a vigilância para minimizar os potenciais riscos, ou seja, auxiliando para aumentar sua percepção sobre o risco causado em manipular e manusear materiais relacionados com a terapia realizada em domicílio, que esses riscos são principalmente as infecções. A DP gera resíduos com presença de materiais biológicos capazes de causar infecção e objetos perfurocortantes potencial ou efetivamente contaminados que requerem cuidados específicos de acondicionamento, transporte, armazenamento, tratamento e disposição final. É de suma importância que o indivíduo e a família saibam descartar corretamente esses resíduos, mesmo em domicílio. Tem-se como objetivo geral elaborar material audiovisual com orientações acerca do descarte adequado de resíduos gerados na diálise peritoneal em domicílio. E apresentam-se os objetivos específicos: Identificar tópicos relevantes e estratégias de comunicação de risco adequadas aos indivíduos e familiares submetidos à diálise peritoneal realizada em domicílio; Avaliar os saberes de pacientes, cuidadores e especialistas a fim de orientar a elaboração de conteúdo para material audiovisual; Desenvolver um material audiovisual baseado em uma tecnologia educativa com estratégias comunicacionais de linguagem acessível e contendo orientações acerca do descarte correto dos resíduos de diálise peritoneal realizada em domicílio. Para responder aos objetivos propostos, será realizado um estudo com abordagem qualitativa do tipo exploratório no intuito de desenvolver um material audiovisual para ser utilizado na capacitação dos pacientes e familiares no tocante ao manuseio e descarte correto dos resíduos gerados pelo tratamento de diálise peritoneal domiciliar. Espera-se que a disponibilidade de um produto audiovisual sirva para que profissionais e pesquisadores possam realizar avaliações sobre as mudanças na percepção e na prática de risco dos pacientes e cuidadores no tocante ao manuseio e descarte dos materiais contaminantes.

Aluno: Gabriel Rodrigues Medeiros 

Orientador: Josué Laguardia (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Banca:

Titulares

Ana Luiza Braz Pavão (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Marcelle Miranda da Silva (PPG-EEAN/UFRJ)

Suplente

Kizi Mendonça de Araújo (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Qualificação
Qualificação de Mestrado - Variáveis preditivas para o excesso de mortalidade durante a pandemia de covid-19 em dez regiões metropolitanas brasileiras nos anos de 2020 e 2021
Sala 401 – Prédio Sede Campus Maré

Resumo

O projeto de pesquisa aborda a relevância da análise do excesso de mortalidade durante a pandemia de covid-19, destacando a importância de compreender não apenas os óbitos diretos causados pela doença, como também os efeitos indiretos. A pesquisa se fundamenta na necessidade de analisar as desigualdades sociais, regionais e políticas para o enfrentamento de futuras crises de saúde pública, adaptada às particularidades de cada região. Aborda a pandemia de Covid-19 como um evento global com impactos desiguais. Considera as regiões metropolitanas brasileiras como espaços de concentração de poder político, econômico e de desigualdades sociais. Tem como fontes o Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil e o Censo do IBGE, buscando levantar dados relevantes no contexto da pandemia e contribuir para a análise da situação de saúde da população. O projeto tem por objetivo analisar o excesso de mortalidade por causas naturais durante a pandemia de Covid-19 nos anos de 2020 e 2021 em dez regiões metropolitanas brasileiras (Manaus, Belém, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, Cuiabá e Goiânia), buscando identificar possíveis associações entre o excesso de mortalidade e as condições de vida da população residente por e entre as regiões metropolitanas selecionadas. A metodologia consiste em um estudo ecológico com análise de dados, com destaque para o modelo de árvore de regressão para identificar as variáveis mais relevantes para descrever o problema. Os resultados esperados incluem a estimativa do excesso de óbitos por causas naturais em cada região metropolitana analisada nos anos de 2020 e 2021, considerando variáveis como causa de morte, faixa etária, sexo, raça/cor e local de ocorrência. Além disso, espera-se comparar o excesso de óbitos devido à Covid-19 com o excesso não relacionado à Covid-19 em cada região, entre regiões metropolitanas e entre os anos estudados. A pesquisa também visa comparar o desempenho preditivo de modelos baseados em árvores de regressão, selecionando o modelo com maior acurácia. Por fim, espera-se identificar as principais variáveis preditivas para o excesso de mortalidade durante a pandemia, contribuindo para o conhecimento sobre os impactos da Covid-19 nas regiões metropolitanas brasileiras e para o planejamento de ações e políticas de saúde mais eficazes.

Aluna: Aline de Macedo Rodrigues 

Orientador: Marcel de Moraes Pedroso (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Banca:

Titulares

Renata de Saldanha da Gama Gracie Carrijo (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Mônica Avelar Figueiredo Mafra Magalhães (PPGSP/Ensp/Fiocruz)

Suplente

Ricardo Antunes Dantas de Oliveira (PPGICS/Icict/Fiocruz)

Acadêmico
Semana de Abertura PPGICS 2024
Sala 402 – Prédio Sede Campus Maré